segunda-feira, agosto 19, 2013

Perceber

Os dois últimos filmes que vi, comme il faut, numa sala de projeção pública ("Dans la maison" de François Ozon e "The Bling Ring" de Sofia Coppola) abordam praticamente o mesmo tema: a vontade do adolescente invadir o espaço doméstico das pessoas que ele sente estarem num plano socialmente superior ao seu.

A premissa do filme francês era muito mais original e fascinante (na medida em que pressupunha que uma classe social é um trabalho de ficção), mas Ozon parece não ter percebido as implicações do seu material. A variação de Coppola é bastante melhor pois a realizadora, talvez por ter ligações biográficas ao mundo do luxo e da celebridade de Los Angeles, percebeu com muito mais perspicácia que tipo de filme poderia fazer a partir da história verídica que o informou.

É tão simples quanto isso: perceber (algo que Hitchcock, cineasta do consenso contemporâneo, fazia com uma perna às costas).


PS - Em abono da verdade, diga-se que "Dans la maison" consegue fazer o espetador perceber melhor o fascínio em causa na casa a invadir. Coppola parece presumir que todos estamos sintonizados com os encantos das marcas e do lifestyle dos famosos, o que faz com que, nesse aspeto, o seu filme seja menos eficaz.

Sem comentários: