quinta-feira, agosto 22, 2013

Confissão seguinte

Não considero que a linguagem seja um meio limitado para exprimir seja o que for. É um instrumento: pode ser usado para barrar manteiga ou para matar. Em todo o caso, a poesia é uma ferida aberta na impossibilidade de viver apenas na imaginação.

Sem comentários: