quarta-feira, outubro 08, 2008

Dicionário 16

Em "A sibila", Agustina descreve por vezes o movimento daquilo que ela chama teorias de pombas. A expressão pareceu-me tão improvável dentro da poética da autora, que resolvi ir ao dicionário verificar se a palavra teoria comportaria outro sentido para além do mais comum.

E assim acontece. Enquanto herança do grego antigo, "teoria" refere uma embaixada sagrada enviada por um Estado para o representar em jogos desportivos, consultar um oráculo, levar oferendas (algo que hoje chamaríamos procissão). Já na sua genealogia latina, "teoria" significa: conhecimento especulativo, princípios fundamentais de uma arte ou ciência, tese, etc.

Tudo ficou então claro para mim. A evolução histórica (do Homem, não da palavra concreta, que se manteve ambígua) fez com que, na teoria, se mantivesse o aspecto peripatético (enquanto metáfora), mas se perdesse todo o sagrado que impede o verdadeiro caminhar do conhecimento.

Sem comentários: