sexta-feira, setembro 12, 2008

Combatê-lo e/ou entregar-se

O problema da poesia não é ter estado durante longo tempo associada ao sublime, mas o facto de os seus agentes a terem praticado ao mesmo tempo que buscavam o sublime. Pois este, mesmo para quem está na merda (ou sobretudo para quem está na merda), é uma simples fatalidade.

2 comentários:

Fernando Vasconcelos disse...

E isso é mesmo um problema - da poesia? Não lhe será intrínseca ? Quero dizer existiria se assim não fosse?

pedroludgero disse...

Havia alguém que defendia que a essência de um ser é a sua "história"...

O que eu quis dizer, ao arrepio de tudo o que hoje se defende, é que não é preciso procurar o "sublime" e que também não adianta desprezá-lo. Ele impõe-se. Mas isto tem a ver com a minha definição do conceito, que ainda estou a afinar.