quarta-feira, agosto 06, 2008

Liridiversidade.

Como até a Amazónia está a ser devastada, tem de ser o poeta a inventar a nova selva inexpugnável.

1 comentário:

Miguel Drummond de Castro disse...

Na mouche! E com novas feras e um novo paraíso.