sábado, agosto 02, 2008

Bugs Bunny presents

Há quem se oponha à legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo com o argumento de que o objectivo do casamento é a procriação. É o caso de Manuela Ferreira Leite.

O argumento é, em si mesmo, forte. Convence. De facto, a relação sexual entre dois homens ou entre duas mulheres nunca dará origem a um feto humano. No entanto, eu definiria esta atitude como a utilização demagógica de um argumento-tipo-Lili-Caneças numa discussão séria. Ou seja, se eu disser "eu não me posso casar no ano 2100", isso é uma verdade absoluta (na altura não estarei vivo). Como diria a nossa socialite: estar vivo é o contrário de estar morto. Argumento, em si mesmo, forte. Fortíssimo.

Mas os argumentos só são, de facto, fortes, na relação que esses argumentos estabelecem com a discussão em que são utilizados. Dito de outro modo, podemos reduzir o conceito de casamento à questão da procriação? Eu penso que não (ou haveria muito criador de coelhos com brevet de casamenteiro).

Mas se for esse o argumento utilizado, se for essa a razão que empurra as pessoas para o matrimónio, então eu não tenho mais nada a fazer senão lamentá-las e desprezar tão veneranda instituição.

Sem comentários: