quinta-feira, julho 10, 2008

Tradução 9

Muito alto as puras unhas consagrando o ónix,
A Angústia, à meia-noite, sustém, lampadófora,
Vário vesperal sonho queimado p'lo Fénix
Cujas cinzas não jazem em nenhuma ânfora

Nas credências, da sala vazia: vão ptyx
Abolido bib'lô, mera inânia sonora,
(Pois o Mestre foi lágrimas buscar ao Estige
Com esse único objecto de que o Nada se honra.)

Mas perto da janela ao norte vago, um ouro
Agoniza imitando talvez o décor
Dos licornes coiceando fogo contra nixe,

Ela, desanuviada morta em 'spelho, embora,
No oblívio enquadrado em quiasmo, se fixe
De cintilações logo logo o septuor.


Para ler o texto original, visitar este post do meu site no myspace.
Para ler uma paráfrase "simplificadora" do texto, visitar este post do mesmo site.
Para analisar uma fundamentação desta tradução, seguir para este outro post ainda do mesmo site.

Sem comentários: