sexta-feira, julho 18, 2008

Argumentando

Em cinema, o conceito de argumento é ambíguo. Na verdade, há um argumento anterior à rodagem (e a maior parte das vezes, o realizador liberta-se dele quando está a filmar, de modo que ele se torna mais um plano de organização do trabalho do que uma fonte impositiva) e há outro "argumento" posterior à montagem (a forma narrativa efectiva que o filme tomou após o processo de edição, que constitui uma traição à rodagem, e por maioria de razão, uma traição ao argumento inicial). Ora, é a este último elemento que os críticos se referem quando analisam a qualidade do argumento de um filme, o que pode criar algumas perplexidades.

Proponho, então, que inventemos duas palavras distintas para nos referirmos às duas situações.

Sem comentários: