segunda-feira, março 24, 2008

Partilha 28

Excerto do conto infantil que escrevi hoje:


(...) Aliás, porque têm os humanos de aprender a contar depois do número dois?

Afinal, o par do leão é sempre a leoa, o par da cara é sempre a coroa e o próprio sol reparte a Terra a meias com a lua. Bem, o mundo está a mudar. Com as alterações do clima, a Natureza pode um dia deixar de ser monárquica, e como é na cabeça que tudo se resolve, se o leão perder a juba não há focinho que lhe valha a posição masculina.

Tomás pensou melhor: o sol e a lua maltratam-se em eclipses, as estrelas constelam-se em multidões, nunca ninguém viu uma abelha vestida de noiva e há aranhas que já nascem viúvas. Juntar uma pedra com quê, se o mundo é um puzzle de geologia? Os cães são sempre sete, andem atrás de osso ou de cadela (ainda não são os melhores amigos da mulher). E há países em que, no verão, o dia é sultão sempre presente e as noites nem espessura têm para se organizarem em harém. (...)

Sem comentários: