quinta-feira, janeiro 03, 2008

Sombras dos antepassados esquecidos

Este filme de Sergei Paradjanov é uma espécie de "Romeu e Julieta" do frio leste.

No entanto, se em Shakespeare a morte dos amantes assume a forma de uma catarse desesperada, no filme de Paradjanov a dor parece subtilmente inserida num esquema de harmonia além-humana. Como se um par só se formasse verdadeiramente quando os corpos da paixão abandonam a vida, e nisso não houvesse tragédia, mas sim lucidez.

Toda a incrível sofisticação do realizador é usada para criar uma poética DE FACTO popular. Já não se ouvia uma "música" assim desde Mozart.

O clip mostra o início da obra (e inclui um dos movimentos de câmara mais exaltantes que conheço).

O DVD (da Midas) já está à venda...

Sem comentários: