quinta-feira, novembro 15, 2007

Tradução 3

Poema "O convite à viagem" de Charles Baudelaire, traduzido por mim:


......Minha irmã, minha filha,
......Imagina a delícia
De irmos viver para ali!
......Amar sem correr,
......Amar e morrer
No país igual a ti!
......Os sóis alagados
......Desses céus turvados
Em mim provocam o arroubo
......Dos teus misteriosos
......E pérfidos olhos,
Brilhando através do choro.

Lá, tudo é ordem e fausto,
Quietude, volúpia e encanto.

......Mobília reluzente,
......Polida desde sempre,
Decoraria o nosso quarto;
......As mais raras flores
......Misturando os odores
Com os perfumes do âmbar vago,
......Ostentosos tectos,
......Profundos espelhos,
O esplendor oriental,
......Tudo falaria
......À alma em surdina
A sua doce língua natal.

Lá, tudo é ordem e fausto,
Quietude, volúpia e encanto.

......Vê nesses riachos
......Dormir esses barcos
Cujo humor é vagabundo;
......É p'ra cumprir o ensejo
......Do teu menor desejo
Que eles vêm do fim do mundo.
......- Os sóis declinando
......Revestem os campos,
Os canais, toda a cidade,
......Com jacinto e ouro.
......É o mundo em repouso
Numa quente claridade.

Lá, tudo é ordem e fausto,
Quietude, volúpia e encanto.

Sem comentários: