domingo, setembro 02, 2007

No divã (mas sem conforto)

Se um cineasta tem de encaminhar a sua obra por uma via psicológica, que o faça então com a intensidade exaustiva, arriscada e transformadora de Ingmar Bergman.

Sem comentários: