quinta-feira, setembro 06, 2007

Adenda a "No escrínio 28"

Como complemento do que disse (aqui) sobre o poema "O imperador dos gelados", é preciso referir que esse texto evidencia uma certa indecência erótica (essencial ao seu sentido profundo). Stevens nem sequer foi muito elegante ou original: pois a que se refere ele quando fala de um homem possante enrolador de grandes charutos? E que raio de natas (ou coalhadas) são estas que ele está a bater?


Nota: no meu blogue do myspace, postei uma tradução minha deste poema.

Sem comentários: