domingo, março 25, 2007

Horror aos apertos

Nenhum dos muitos botões, que a leitura ou a recepção de um espectáculo accionam no meu pensamento, tem grande prazer em se enfiar na casa da verosimilhança.

Não penso que seja um defeito crítico. Eu é que não espero grande verosimilhança da vida.

Sem comentários: