quarta-feira, dezembro 20, 2006

O coleccionador 2

No brilhante “Dinner at eight”, filme de George Cukor de 1933, depois de um genérico exuberantemente musical, toda a acção decorre com mais nenhuma banda sonora a não ser a voz dos actores a debitarem, com teatralidade, um texto teatral. Por seu lado, a câmara mantém-se discreta enquanto capta um conjunto de personagens sofrendo as mais diversas decadências (físicas, financeiras, profissionais, sentimentais, etc.).


Até que surge uma sequência excepcional, de coleccionador. A personagem de John Barrymore, confrontada com o total falhanço da sua vida, decide suicidar-se. Então, dirige a luz de um candeeiro para o sofá onde pretende morrer (é um projector de luz), e abre a torneira do gás, provocando uma fuga que produz um ruído ao mesmo tempo sinistro e ampliado. É a primeira música do filme propriamente dito. E é também a primeira vez que a câmara se faz sentir através de um movimento muito expressivo.

O encontro da morte com a plena assunção do formalismo funciona como uma charneira que permite a conclusão da obra. A partir daí, o filme torna-se convencional: música constante, os actores podem fingir à vontade, tudo tende para o happy end.

Cukor parece querer dizer que, para que o cinema (e o teatro da vida) possa decorrer, é preciso que a morte se torne sentida, pungente. Todas as personagens vão então sofrer uma morte que as liberta e que permite a dinâmica de uma existência toda feita de excesso de expectativas.

Sem comentários: