sexta-feira, dezembro 29, 2006

Amarante

Na obra de Agustina Bessa-Luís, muitas vezes a psicologia das personagens se rege por uma lógica de milagre. Daí as acusações de verborreia irresponsável, falta de plausibilidade, desconhecimento do real, com que se construiu algum preconceito em torno da romancista. Agustina inventa a Verdade.

No piso inferior da exposição dedicada a Amadeo de Souza Cardoso na Gulbenkian, fica mais evidente o esforço do pintor para construir um alfabeto só seu: não tanto ao nível dos assuntos, dos símbolos, ou de uma irredutibilidade icónica, mas a partir da idiossincrasia da maneira de desenhar.

Sem comentários: